Esse blog partilha informações e conhecimento relacionado ao mundo da biologia em geral. Sejam bem vindos!!

Plantas aquáticas cobrem a represa Guarapiranga, formam um “gramado flutuante” e impedem o treino de velejadores


Por mais que os ventos soprem a favor na Represa de Guarapiranga, os barcos a vela dos iatistas que treinam ali não conseguem sair do lugar. A explicação para o aparente paradoxo está na biologia.

Desde o fim do ano passado, um tapete verde de cerca de 6 quilômetros quadrados vem cobrindo as águas da represa e atrapalhando os atletas.

O “gramado flutuante” é composto de plantas aquáticas, cientificamente chamadas de macrófitas, como aguapé, salvínia e alface-d’água. “Treino aqui há 48 anos e jamais havia visto uma situação como essa”, diz o velejador Claudio Biekarck, sete vezes medalhista pan-americano na classe Lightning, que já participou de três Olimpíadas. As plantas se agarram às quilhas, localizadas na parte de baixo dos barcos, imobilizando-os. “Quando eles ficam presos, só uma lancha é capaz de rebocá-los”, afirma Marcos Biekarck, filho de Claudio e coordenador náutico do Yatch Club Santo Amaro, um dos vários iate clubes dali que têm reclamado do problema.

Mais comuns em várzeas ou presas às margens, essas plantas aquáticas são, muitas vezes, um indicador da presença de esgoto na água. Isso porque elas se alimentam de nutrientes como fósforo e nitrogênio, encontrados principalmente nos dejetos domésticos. Fonte de poluentes ali é o que não falta. Estima-se que cerca de 800 000 moradores residam na área da bacia, a maior parte de forma ilegal. E, é claro, contribuem com o despejo de detritos. Quanto mais esgoto, maior a probabilidade de proliferação de macrófitas e de algas que se alimentam dos mesmos nutrientes. Segundo dados da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), a concentração média de fósforo na represa no ano passado foi de 0,055 miligrama por litro, mais que o dobro do limite estabelecido por lei, de 0,02. Os índices de nitrogênio, no entanto, estão dentro dos parâmetros. “As macrófitas não comprometem a qualidade da água para o abastecimento, mas podem entupir os coletores e bombas da Sabesp e dificultar a captação”, explica Nelson Menegon Junior, gerente da divisão da qualidade das águas e de solo. “As algas são mais preocupantes, pois podem ser tóxicas e deixam a água com cheiro e gosto de barro.” Atualmente, a Guarapiranga abastece 4 milhões de pessoas em todo o estado.

A Sabesp descarta prejuízos à qualidade da água e nega a relação do crescimento da vegetação com o aumento de poluentes na represa. “Na verdade, o esgoto na Guarapiranga até diminuiu”, afirma Hélio Castro, superintendente de produção de água da Sabesp. De acordo com ele, as plantas aquáticas sempre existiram ali, mas antes ficavam concentradas nas várzeas e nas margens.

Com a temporada de chuvas de verão e o aumento do nível da represa, elas teriam se desprendido e se espalhado. Em janeiro, o volume de água que se abateu sobre São Paulo foi de 480,5 milímetros. Isso representa o dobro da média histórica e o maior volume registrado desde 1947 nesse mesmo mês. Por causa disso, os reservatórios continuam cheios. “Os aguapés podem ter se movimentado, mas não teriam se desenvolvido, mesmo nas margens, se não houvesse esgoto para fornecer a eles os nutrientes necessários”, diz o especialista em ecologia aquática André Cordeiro dos Santos, professor da Universidade Federal de São Carlos. Segundo a Sabesp, uma retroescavadeira tem retirado a vegetação da água constantemente. “Vamos aumentar o número de veículos para coletar ainda mais e minimizar um pouco o problema”, promete Castro. “Daqui a quinze dias teremos uma reunião com os clubes para fazer um plano de ação e estabelecer um mutirão.” Depois de retiradas e secas, as plantas serão levadas para um aterro sanitário e poderão ser usadas como adubo.



Fonte: Revista Veja São Paulo - 07/07/2010

http://planetasustentavel.abril.com.br

Artigo enviado por Sabrina Franciscone


0 comentários:

Postar um comentário